CORITIBA FOOT BALL CLUB

160x600 Escudo Errado Não
Elenco - Pablo Thomaz

13/09/2018 10:43:00 ( atualizada em 13/09/2018 11:04:06 )

Homenagem a Tostão

Homenagem a Tostão
Seu Nome:
Seu Email:
Mensagem:
Marque a opção abaixo

Homenageado da partida desta sexta-feira é ex-meia-esquerda coxa-branca que acumulou 193 jogos no Coritiba

Nesta sexta-feira (14), dia de Coritiba x Londrina, o clube dará sequência à série que exalta ex-jogadores que ajudaram a escrever a sua história. O homenageado será o meia-esquerda Tostão. A ação começará na sala de imprensa do estádio, com a entrega de uma placa pelo presidente do Coxa, Samir Namur, e será concluída com uma volta olímpica do craque, no intervalo da partida.

Para quem vier ao jogo, além de poder prestigiar a homenagem, também poderá adquirir um copo personalizado sobre o ídolo, que estará sendo vendido nas lanchonetes do estádio. O objetivo desta ação é exaltar e registrar a história destes importantes jogadores que passaram pelo clube.

Sobre Tostão

Com a conquista do Campeonato Brasileiro de 1985, o Coritiba precisava se reforçar para as disputas da Taça Libertadores da América, e a contratação de maior impacto na época foi a do ponta-de-lança Luís Antônio Fernandes, mais conhecido como Tostão. Natural de Santos, onde nasceu em 6 de novembro de 1957, recebeu o apelido ainda menino, quando tinha doze anos e foi artilheiro do campeonato paulista infantil, pois achavam que seu estilo era parecido com o do famoso craque da Seleção Brasileira. Extremamente habilidoso e rápido no raciocínio, ele fazia jogadas tão fantásticas que, muitas vezes, surpreendia seus próprios companheiros. Com a camisa alviverde, Tostão foi campeão paranaense de 1986 e 1989, ano em que atingiu seu apogeu no Coritiba. Atuando ao lado de craques como Osvaldo, Serginho, Carlos Alberto e Chicão, Tostão foi o grande maestro do time, fazendo assistências precisas e marcando gols importantíssimos. Nos Atle-Tibas daquele ano, dos oito gols coritibanos, cinco foram de Tostão. Em um deles, passou por três marcadores, deixando um no chão, antes de mandar a bola para a rede. O "Velho Tusta", como era chamado pelos companheiros, permaneceu no Alto da Glória até 1992, quando ajudou o Coritiba em seu retorno à primeira divisão do Campeonato Brasileiro.